POR QUE OUVIN...

  • Acompanhe

POR QUE OUVINDO CRIANÇAS?

Como devo fazer para…?

Frequentemente, sou questionada sobre como fazer as crianças estudarem com mais atenção, sobre a razão dos filhos não se interessarem por algumas atividades, como fazer para que aceitem melhor a separação dos pais e outras dúvidas como brigas entre irmãos, diferenças, medos, etc., etc., etc.

Quase em todos os casos, respondo: “Ouça seu filho (ou aluno). O que ele [filho ou aluno] está tentando comunicar com essa atitude?”

A maioria das respostas dos adultos é: “Como fazer isso? Ele ainda não tem noção do que está acontecendo. É muito pequeno. Já tentei falar sobre isso, mas ele não entende, não responde.”

Ao ouvir uma criança (seja o aluno ou filho), mais do que conhecer o que está se passando na cabeça deles, você, adulto, permite que ele também se escute, pense novamente, reconheça e discrimine seus sentimentos, vivenciando, fazendo, sendo.

Defendemos que antes de qualquer atitude, precisamos escutar a criança, ouvir o que ela está tentando nos comunicar, facilitando e promovendo as mais variadas formas de expressão: seja com perguntas, lendo um livro deflagrador para a conversa, brincando com ela, “lendo” seus sentimentos e a ajudando a discriminá-los.

Se existe algum segredo para compreender uma criança? Podemos dizer que sim! Quando conseguimos reconhecer e valorizar o que ela sente, pensa, quer, precisa.

Atualmente, observamos um número cada vez maior de crianças diagnosticadas com déficit de atenção ou dislexia, além de  tantos outros problemas vindos das escolas e consultórios psicológicos cheios de pais inseguros, querendo acertar.

São muitas as questões, serão muitas as conversas…

Convido os leitores para embarcarem conosco numa pequena parte deste fascinante universo infantil, com a intenção de encorajá-los a conhecer e escutar as crianças que nos cercam.

Vamos dar voz e vez a elas, que são testemunhos ricos da sua própria condição de infância.

Queremos construir um espaço de trocas interessantes e produtivas.

Quem topa? Entrem e fiquem à vontade!