Dicas de livros infantis

  • Acompanhe

Pelo direito de escolher sempre!

13 maio, 2015, Paula Saretta Dicas de livros infantis 2


Pelo direito de escolher sempre!

Por Mariana Wisnivesky e Sofia Rysovas*

Na medida em que nossos filhos crescem nos deparamos com o enorme desafio de identificar as situações em que nossa proteção, nossas orientações, já não são mais tão necessárias. Vamos tendo que nos adaptar e reconhecer cada nova fase, que muda com uma velocidade impressionante!

Esses dias, Sofia (6 anos) chegou em casa dizendo: “a mãe da Vanessa não a deixa fazer nada do que ela deveria deixar!”

“O que por exemplo?” Quis saber…

“Ela deveria poder tomar banho sozinha, já tem 6 anos. Mas a mãe acha que tem que ficar junto” – disse Sofia com ares de inconformada.

Fiquei pensando se este também poderia ser um recado para mim… Será que deixo minha filha fazer tudo o que ela já pode e consegue fazer sozinha? Tudo bem, já faz tempo que ela toma banho sozinha, mas fiquei intrigada: por que ela estava me dizendo aquilo?

Não é fácil reconhecer essas mudanças tão rápidas. Não é fácil saber o nosso limite de intervenção. É, sim, difícil deixar nossos filhos escolherem o caminho! Seja por carinho, cuidado, preocupação ou por dificuldade de perceber/acreditar o quanto já cresceram e são capazes.

a princesa capa1Não por acaso, dias depois, passeando por uma livraria, nos encantamos com o livro “A Princesa que Escolhia”, da escritora carioca Ana Maria Machado. A autora conta a história de uma princesa muito boazinha e bem-comportada. Boazinha até demais! Obedecia tudo. Concordava com todos. Uma verdadeira maria-vai-com-as-outras.

Mas, a sorte é que um dia ela disse: Desculpe, mas acho que não! Podem imaginar o espanto que isso causou?

Depois de receber um castigo e ficar isolada do resto do castelo, a Princesa acaba descobrindo um novo mundo, cheio de coisas para aprender e pessoas para conhecer. Aprende a brincar de formas diferentes, a compartilhar e a descobrir coisas novas nos livros e na Internet.

Certo dia, com tanto conhecimento novo, a princesa ajuda a salvar o reino de uma doença e não só é liberada de seu castigo, mas também lhe é oferecida uma recompensa.

O que a princesa escolhe como prêmio? O direito de escolher sempre!

Aprendendo a dizer não, ela também aprende a dizer sim! E aprende que respeitar o próximo não significa concordar sempre com ele.

A princesa cresce e … muitas coisas acontecem! Vale a pena acompanhar suas aventuras…

O livro percorre toda a história da princesa, desde pequena até tornar-se adulta. Brinca com estereótipos e ajuda a pensar a importância que a possibilidade de fazer escolhas vai ganhando ao longo da vida. Por exemplo, quando no colégio uns amigos começam a fumar e oferecem a ela, a princesa diz:

– Não, não quero.

– Experimenta, deixa de ser boba. Que é que tem? Todo mundo fuma…

Mas ela já tinha a maior prática:

– Não quero. Não preciso ser igual a todo mundo.

Claro que o tipo de escolha vai se modificando em cada etapa da vida dos nossos filhos e é preciso ir reconhecendo o equilíbrio entre a autonomia que ele é capaz de experimentar e o olhar seguro e atento que precisa receber. Mas não tem outro jeito, precisamos descobrir isso junto com eles! E acredito que livros como este ajudam muito nessa construção!

A história é ilustrada por Mariana Massarani, com cores e traços marcantes e encantadores que despertam o interesse de meninas e meninos de todas as idades. Ao ver a capa Sofia logo reconheceu: “Olha! Esse não é o desenho que aparece naquele outro livro, da Ruth Rocha?”

___________

Mariana Wisnivesky é psicóloga. Mestre em Psicologia Educacional pela UNICAMP (2003). Formação em Psicoterapia Psicanalítica, em 2001-02 e Formação em Orientação Profissional, em 2007. Atende em consultório particular desde 2001 em Campinas-SP.

Mari é mãe da Sofia (6 anos) e Luisa (3 anos).

Sofia Rysovas é uma menininha linda, inteligente e muito agradável. Desde pequena já sabe o que quer: ser ouvida e respeitada como toda criança.

  • http://www.espacopsicanalitico.net Alba Sewaybricker Benito

    Lindo, Mariana! Refletindo sobre escolhas e a relação mãe – filhos. Muito feliz seu comentário e vou procurar esse livro, tão estimulante. Beijo.

  • Marina Borges e Silva Prado

    Nossa! Como os textos do blog me afetam! sou fã!