Momento Mãe

  • Acompanhe

3 – 4 meses do Guilherme: o tempo começou a acelerar…

20 fevereiro, 2015, Paula Saretta Momento Mãe 1


3 – 4 meses do Guilherme: o tempo começou a acelerar…

POR Paula Saretta*

Filho, agora o tempo que demorava a passar, começou a correr. Correu tanto que já estamos há 4 meses juntos. Mal deu tempo de comemorarmos seus primeiros 3 meses e quando percebi, você já tem 4. 

4 meses muda muito. Para nós e para você. Seu pai e eu nos encantamos a cada dia com você. Você é realmente encantador, filho. Um menino adorável, sorridente, feliz.

Ouço, com certa frequência, que tivemos sorte pelo seu temperamento. Acabo concordando e agradeço sempre pelo “elogio”. Mas não acho que foi sorte e muito menos que você nasceu assim… Até porque, filho, “quem te viu e quem te vê”, como diria o Chico (Buarque). Você era o bebê mais irritado do berçário quando nasceu.

Já te contei inúmeras vezes que você era bravo porque nasceu com muita fome. Com fome de leite e de mãe, como gosto de falar. Outro dia fui relatar nosso 1o encontro para um grupo de grávidas que fiz parte enquanto esperava você. Foi muito emocionante lembrar como tudo se deu. O susto que tivemos ao ver um bebê tão pequeno. O medo que tivemos ao ouvir que você tinha restrição de crescimento e precisava logo nascer. A decepção e tristeza profunda que senti ao saber que teríamos que escolher por você. Escolher a hora que você iria chegar. Não foi nada fácil.

Estavam lá, todos os bebês gordinhos e tranquilos e você gritava, gritava, sem parar. Acabou ficando pouco no berçário da maternidade nos seus primeiros dias de vida, nem de madrugada deixei você lá. Você, desde que nasceu, ficou comigo. Dormiu nos meus braços, mesmo sem a permissão do hospital, que achava perigoso você dormir fora do seu bercinho.

Mas sempre soube que seu lugar era aqui. Sempre soube que o que você precisava só eu poderia dar naquele momento. E isso me fez forte. Corajosa. E foi assim… E é assim até hoje. Nós sabemos muito bem que nada se dá sem esforço. Muito esforço. Não sou especial, nem você é. Não tivemos sorte, mas, sim, trabalho. Muito trabalho. Na direção que tem dado certo, isso tenho certeza.

Eu olho você hoje e penso em como você cresceu. Já tem dentes, Gui! Dentes! Como pode? Como assim? É. Assustei também.

Já temos uma rotina mais ou menos organizada. Você já tem suas preferências de atividades e brincadeiras para cada hora do dia. Você participa das trocas de fraldas com sua mãozinha encostada em meu braço. Já temos um jeito especial de tomar banho, ao som da Arca de Noé. Já reconhece o dia e a noite. Não gosta mais de ficar tanto tempo no colo…

Não quer mais tanto colo, quer conhecer, quer olhar, quer explorar o mundo. Você quer se esticar. Quer tentar virar pra lá e pra cá… Bater as mãozinhas e perninhas, dar gritinhos de alegria… Conhecer sua voz e suas potencialidades. Morder. Morder tudo. Antes seus olhos eram sua mão, agora sua boca é que reconhece melhor o mundo. Nem tudo pode colocar na boca, filho. E nem tudo você consegue colocar na boca, filho. Já negociamos o que pode e não pode. E você conversa. Conversa o tempo todo. Reclama. Pede. Brinca.

Já percebeu que o mundo está aberto para você, não é, filho?! Já percebeu que não há nada o que temer. Que estamos aqui, olhando você. Admirando seus passos e suas descobertas diárias.

Até música já temos juntos. Vamos deixar nossa música registrada aqui? Que bom que concordou, filho. Então, ficamos hoje com ela de presente para quem quiser também ouvi-la.

De sua mãe, Paula.

20 de Fevereiro de 2015.

“O seu olhar” – Arnaldo Antunes e Paulo Tatit

O seu olhar lá fora

O seu olhar no céu

O seu olhar demora

O seu olhar no meu

O seu olhar seu olhar melhora

Melhora o meu

Onde a brasa mora

E devora o breu

Como a chuva molha

O que se escondeu

O seu olhar seu olhar melhora

Melhora o meu

O seu olhar agora

O seu olhar nasceu

O seu olhar me olha

O seu olhar é seu

O seu olhar seu olhar melhora

Melhora o meu

_______________

* O meu relato de parto foi postado aqui.

* Paula Saretta é psicóloga. Doutora em Educação pela Unicamp. Mestre em Psicologia Escolar pela PUC-Campinas e aperfeiçoada em Queixa Escolar pela USP. Formadora de professores e consultora em Educação e Psicologia. Fundadora do site/blog Ouvindo Crianças.

  • Tamara

    Paula querida, amo você há muito tempo, mas amo você ainda mais, agora que se tornou mãe do Gui! Lindo relato, lindo relato de parto!!! To com lencinho na mão!