Momento Mãe

  • Acompanhe

2 meses do Guilherme: o reconhecimento

15 janeiro, 2015, Paula Saretta Momento Mãe 1


2 meses do Guilherme: o reconhecimento

POR Paula Saretta*

Guilherme, agora já nos conhecemos.

Trocamos olhares apaixonados e cúmplices um pelo outro todos os dias.

E começa já de manhã, quando acordamos. A vontade de dormir mais um pouco é interrompida com um sorriso aberto, cheio de amor.

O dia vai passando e a cada novo despertar, mais e mais sorrisos de amor… Não há como não se derreter, não há como…

Sabia que seria assim: um amor que só cresce!

Mas viver todos os dias ao seu lado, Gui, conhecendo você, lhe apresentando o mundo e parando para olhar nos seus olhos brilhantes e cheios de vida… Ah… É muito diferente de saber racionalmente, teoricamente como as coisas são. Muito diferente. O mundo se abre novo. É como se tudo ganhasse nova cor, novo sabor, nova vida.

Dentro desse olhar de cumplicidade cabe o mundo. Nosso mundo. Neste momento, o mundo nosso é o que importa para nós. Neste momento é só o que quero: olhar nos seus olhos e confirmar nosso amor.

Estamos em sintonia. Estamos em total comunicação. E é assim que você vai se constituindo como ser humano a cada dia diante dos meus olhos orgulhosos.

Sigo confiando em você e nas demonstrações de suas reais necessidades. Não precisamos de teorias, de técnicas milagrosas para você parar de chorar ou dormir a noite toda… Precisamos de contato, conexão. Só isso. Tudo isso. Sei que o que você me pede é legítimo, é importante. Tento ouvi-lo. Tento entender seus pedidos. Tento (e não é nada fácil) separar as suas, das minhas necessidades de estar com você…

Será que assim está bom? Pensamento constante de todas as mães, certamente. As respostas estão no seu sorriso, no seu olhar, em como você está mais seguro e feliz.

Sigamos, filho. Ainda temos muito o que nos conhecer… Ainda temos muito o que nos reconhecer. Sigamos juntos.

De sua mãe, Paula

15/01/2015.

___________

*Paula Saretta é psicóloga. Doutora em Educação pela Unicamp. Mestre em Psicologia Escolar pela PUC-Campinas e aperfeiçoada em Queixa Escolar pela USP. Formadora de professores e consultora em Educação e Psicologia. Fundadora do site/blog Ouvindo Crianças.

  • Denise Guilherme

    Paula, é mesmo tão importante dar espaço para essa nossa escuta. Para conseguirmos nos ouvir e ouvir também esse pequeno ser que nos foi confiado. Sim, porque o barulho do mundo é grande. E há muita gente e teoria para explicar algo que seria mais fácil de entender se a gente se fechasse a esse ruído e fosse capaz de escutar a voz mais importante: a do nosso ser. É ele quem se conecta. É dele, e somente dele, que precisamos nesse momento.
    Confesso que demorei um pouco para entender isso. E às vezes, diante da loucura da vida, deixo de escutar essa voz. Então, quando consigo, paro, respiro e me faço perguntas, dando tempo para encontrar as minhas respostas. Afinal, se o Manoel me escolheu para ser sua mãe, é porque confia em mim. Na minha essência. E é com ela que ele precisa falar. Essa conversa é entre a gente e mais ninguém.
    Obrigada por me fazer retomar esse tempo. Obrigada. Beijos para você e para o Gui.